terça-feira, dezembro 28, 2010

Envelhecimentos: para além da caducidade: as velhas desilusões vão-se tornando velhas companhias.
O frio e a falta de gente também não ajudam. Tempo ermo.

domingo, dezembro 26, 2010

Cartas de crianças no Natal dos correios. Numa delas, um rapaz de 8 anos, explicava que já sabia que não ia ter muitos presentes este ano, porque a mãe estava desempregada e o pai, quase sempre no hospital, não recebia. Que, por isso, já lhe haviam dito que não havia dinheiro para prendas. Colou na carta algumas imagens de coisas que gostava de ter e agradecia ao Pai Natal que, se pudesse, lhe desse uma delas: «se puderes dar alguma coisa, agradecia».

Esta contenção e clareza, este bom senso tão próprio dos infelizes - e numa linguagem escorreita, longe do jargão eleito pela burocracia sentimental - é um escândalo de resignação.
Quem apadrinhou, levou a peito contrariar, instilar a dúvida, a suspeição, e não escolheu entre os brinquedos: todas as hipóteses de presente referidas na carta seguiram o seu caminho.
Nada como o nascimento de Cristo para convocar à insensatez.

quarta-feira, dezembro 22, 2010

Schubert - Winterreise, D 911 "Erstarrung" - D F Dieskau



Ich such' im Schnee vergebens
Nach ihrer Tritte Spur,
Wo sie an meinem Arme
Durchstrich die grüne Flur.

Ich will den Boden küssen,
Durchdringen Eis und Schnee
Mit meinen heißen Tränen,
Bis ich die Erde seh'.

Wo find' ich eine Blüte,
Wo find' ich grünes Gras?
Die Blumen sind erstorben,
Der Rasen sieht so blaß.

Soll denn kein Angedenken
Ich nehmen mit von hier?
Wenn meine Schmerzen schweigen,
Wer sagt mir dann von ihr?

Mein Herz ist wie erstorben,
Kalt starrt ihr Bild darin;
Schmilzt je das Herz mir wieder,
Fließt auch ihr Bild dahin!

Wilhelm Müller

quarta-feira, dezembro 08, 2010

Nossa Senhora da Conceição

Os tribunais portugueses suspendem as penas das mães que assassinam os filhos (os violadores também têm ficado com pena suspensa).
Não é surpreendente e condiz com aquilo a que chegámos.

domingo, dezembro 05, 2010

O Caso Wikileaks é lamentável e tem efeitos nefastos na actividade diplomática dos estados.

Mas é preciso que Casos Wikileaks, com o seu rol de efeitos lamentáveis aconteçam de tempos a tempos. É um olhar sobre a manufactura do mundo.

sábado, dezembro 04, 2010

Lembro-me de 4 de Dezembro de 1980. Tinha vindo de Lisboa, onde estudava, para passar o fim-de-semana em casa.
Lembro-me da brutalidade na notícia, da consternação e do desgosto pela morte de Sá Carneiro e Amaro da Costa.
Depois de jantar passei pelo sítio de encontro costumeiro da cidade de província. A geração mais velha que o frequentara quando eu era pequeno já não aparecia, mas havia muita gente da geração dos nossos pais. Gente interessante, culta, civilizada, com o gosto de pensar.
Hoje, todos desapareceram sem deixar quem os substituísse. A cidadezinha está semi-desértica, tristonha, soturna, sem vida.
Não posso deixar de pensar que, se Sá Carneiro não tivesse morrido, talvez esta terra - e este país - não fosse o lugar inóspito que é hoje. É que não foi uma maldição que se abateu sobre o interior de Portugal. Esta tristeza é o resultado de escolhas políticas, desde a lei do arrendamento às opções sobre a agricultura.
Quero crer que com Sá Carneiro teria sido diferente: era bem nascido - o que, entre nós evita os defeitos do ressentimento, era culto, não era de Lisboa, tivera uma actividade profissional fora do estado, conhecia o país, em terras e gentes.
Para ele, um Portugal fora do Estado, e um país fora de Lisboa fazia todo o sentido.

quarta-feira, dezembro 01, 2010

O «acordo ortográfico»
Carta a Jaime Gama

Propõe-se este texto, que pode ser copiado e colado aqui
http://www.parlamento.pt/sites/PAR/PA...
Texto:
Exmo. Sr. Dr. Jaime Gama,
Presidente da Assembleia da República


Na edição de 30 de Novembro, o jornal «Sol» noticiava que V. Exia. desejava que o Parlamento começasse a aplicar a partir de 2012 aquilo a que se convencionou chamar «acordo ortográfico».
Estranha-se tal pressa! Quando V. Exia. já exercia o cargo que exerce hoje quando a esse Parlamento foi apresentada uma Petição assinada por mais de 100 000 portugueses demonstrando o seu total desacordo com o que, ao arrepio dos portugueses, se preparava.
Estranha-se ainda tal pressa quando a Comissão Parlamentar de Ética,Sociedade e Cultura recomendou que o plenário devia apreciar a Petição e considerou que o «Acordo Ortográfico enferma de vícios susceptíveis de gerarem a sua patente inconstitucionalidade», para além de considerar que «as preocupações e os alertas dos peticionários devem ser tidos em conta, do ponto de vista técnico e político, a curto e a médio prazo».
Esta recomendação, apesar da sua gravidade, parece não ter ocasionado da parte de V. Exia. qualquer actividade que levasse a uma efectiva discussão nesse Parlamento de tão grave assunto, mais estranha tornando a pressa evidenciada agora por V. Exia. em começar a usar uma
ortografia que centenas de milhares de portugueses clara e expressamente repudiam.
Assim sendo, e num período de tão grave crise nacional, a apressada diligência de V. Exia. corre o risco de se tornar num daqueles actos que fazem com que a democracia portuguesa esteja cada vez mais enfraquecida e que seja cada vez mais fundo o fosso que separa os cidadãos dos
seus representantes.
Venho por isso, como Português, exigir que o «acordo ortográfico» seja discutido com serenidade e sem pressas pelo plenário dessa Assembleia, com a publicidade que o assunto merece.
Com os melhores cumprimentos,
Ate.
a)
Entre mais um aniversário da morte de Fernando Pessoa - que considerou criminoso as alterações da ortografia da Língua Portuguesa - e mais um golpe por via administrativa - através interposta «assembleia da república» e o presidente gama dela.

quinta-feira, novembro 25, 2010

terça-feira, novembro 23, 2010

Um interveniente num desses programas que às vezes vejo, falava no outro dia, na esteira de um artigo do Público, no que se podia chamar um novo fôlego de Sócrates, que a cimeira NATO lhe trouxera. E depois de não sei quantas inanidades, prosseguia até a uma data de eleições auspiciosa para o actual primeiro-ministro que as suas manhas lhe porporcionariam.
Há gente a passar fome por causa de erros deste governo, o país está à beira da bancarrota e precisa de discutir o seu futuro. Mas tudo isso nada é comparado com as armadilhas em que o querido primeiro-ministro fará cair a oposição e que é preciso apreciar devidamente - mesmo que até como futilidade seja muito pouco interessante.
Sim, isto é miséria.

domingo, novembro 21, 2010

Há pouco ia deixando a meio um post sobre viagens no Abrupto - os coleccionadores são repetitivos - que tinha começado a ler por achar absolutamente desinteressante o A Torto e a Direito, que tem gente que costumo ouvir e ler com algum gosto, mas que, na paixão cega da concórdia, ilustrava até à pura insuportabilidade alguns dos nossos defeitos nacionais.
Mas acima disso, todos eles me lembravam que, no limite, apenas eram possíveis, tais como são, por termos cavado com tanto afinco a nossa sepultura. Preferia-os a todos com menos viagens e dinheiro. Não é a apologia da força criadora da necessidade, mas a mera saudade da aurea mediania.

sexta-feira, novembro 19, 2010

Por aqui tomei conhecimento de um texto asqueroso sobre Suu Kyi, uma política que muito admiro. Veio dos lados do Partido Comunista..
E fiquei contente que um ataque tão rasteiro, parolo e nojento viesse daqueles lados.
Seria de esperar outra coisa? Confirma-me a análise e reconforta-me nas escolhas que fiz.

quinta-feira, novembro 18, 2010

Este país é tão cansativo.
A ignorância - e a falta de modos e o pelintrismo - exercem sobre a realidade um efeito teratogénico.
Portugal coberto de quistos, que desejo de pele limpa.

segunda-feira, novembro 15, 2010

Sobre ditas de Amados, Santos, empréstimos e demais vexames que parecem constituir o todo da vida nacional: quando se perde a vergonha...
Vai em itálico, por ser explicação ouvida a terceiros.

quinta-feira, novembro 11, 2010

Morreu o «Senhor do Adeus», José Manuel Serra.
Acenava-nos doutros tempos, de maior amabilidade e, com afecto e simpatia, fazia-nos compreender como vivemos longe do essencial.
Deus o terá.
Em poucas horas - são onze e meia agora - mais de 8 000 pessoas já passarem pela página de homenagem no Facebook. Um deles escreveu que alguma coisa está mal para uma reacção tão excepcional. Está. Não a comoção de tanta gente perante a morte de alguém que era simpático de uma forma tão tocante e divertida, mas a difusa sensação de quão raro se tornaram as ocasiões que nos unem num mesmo sentimento.

sábado, novembro 06, 2010

Ouvi há pouco - que linda manhã de Verão de S. Martinho! - Passos Coelho clamar pela responsabilização criminal dos autores dos desaires do déficit. É triste que a nossa situação política se tenha tornado numa questão de polícia, mas a sugestão é pertinente.
Ou tudo não passará de uma exaltação à sobremesa?

quinta-feira, novembro 04, 2010

Li algures - um blog fracturante? - que a religiosidade é proporcional à desigualdade: quanto mais crentes, mais desiguais.
Perfeitamente de acordo, quando a divindade é o estado.
E entre nós reina a mais desbragada superstição.
Tal como o autor deste post, os mercados não entendem a aprovação do orçamento como a panaceia dos males lusitanos.
Em Portugal, preponderou um bom senso - porventura bem intencionado - que não é senão a vitória da mediocridade. E isto nem seria, por si só, mau se não tivéssemos abusado tanto da falta de imaginação.

quarta-feira, novembro 03, 2010

Entretanto, o A. deste blog deu-se conta que não havia ainda agradecido ao Prof. Eduardo Catroga e ao Dr. Passos Coelho a manutenção das deduções fiscais e a manutenção de alguns produtos a 6%, o que lhe evitará desembolsar alguns desnecessários euros.


terça-feira, novembro 02, 2010

Jorge de Sena fazia anos.
A Antena 2 faz-nos presente de uma entrevista inédita, de 1972
A ouvir, esta entrevista inédita.

segunda-feira, novembro 01, 2010

quarta-feira, outubro 27, 2010

O discurso do presidente da república de ontem foi um exemplo de mediocridade e de vaidade, ridículo e embaraçoso para quem tenha mediana sensatez.
Agradeço-me nunca ter votado em tal tolo.

segunda-feira, outubro 25, 2010

Coisas de que gosto: excêntricos

Retirado quase tudo da Wikipedia em inglês, apresento o 12º Duque de Bedford, "[...] his other pets included a spider whom according to Nancy Mitford's The English Aristocracy, he would regularly feed roast beef and Yorkshire pudding."
Dele escreveu o seu filho, o 13º Duque: «A man who confined himself to the phrases "Indeed", or "So I have been led to believe"»,«the loneliest man I ever knew, incapable of giving or receiving love, utterly self-centred and opinionated. He loved birds, animals, peace, monetary reform, the park and religion».
Itinerário nocturno
Não é exactamente uma insónia, pelo bom motivo de que já poderia ter voltado a adormecer e resolvi aproveitar para ler a última crónica de Miguel Esteves Cardoso, que me escapara à tarde. Não ler Esteves Cardoso é um sinal de péssimo gosto e, em quem, como eu, o admira, um sintoma de desleixo e de perturbação moral que me atormenta.
Ia, por isso, lê-lo, mas impera, no meu iphone, uma desarrumação tal que fui parar a uma troca desgradável de posts sobre graffiti, abuso policial e geral prosápia que remetia para o mais enfadonho que pode existir entre nós, portugueses.
Bocejava desaprovadoramente quando, scrollando, surgiu o nome já quase esquecido da pastoral portuguesa (que, por fracções de segundo associei a uma contrafacção de queijo brie). E sim, havia posts recentes, já de Outubro. O suficiente para me reconciliar com a inteligência lusa.
Agradeço ao A. deles o happy end da minha insónia e dedico-lhe o "coisas de que gosto". O porquê da dedicatória é muito claramente dedutível: isto - lembrou-me que eram os Duques de Bedford os possuidores de algumas telas de Canney-Letty, que pinta no mundo em que Fritz Languid filma.

sexta-feira, outubro 22, 2010

Há bocado, já depois do almoço, estava um ar matinal: pensei-me, sem dificuladades às oito da manhã.
Depois o sol encobriu, e voltou a tarde, inconsistente, cinza claro e algum branco. Para condizer, lembranças de niquelados, vidros foscos e uma receita de molho de salada*
* clara e gema e ovo, sumo de limão, azeite, 1/2 de colher de chá de açucar.

quarta-feira, outubro 20, 2010

O governo e parte dos analistas ou gente da imprensa (ainda há pouco, Constança Cunha e Sá) agem como se a preocupação final de Portugal fosse processual: importa saber se o bando do governo encurrala Passos Coelho, etc.

Quem está encurralado, podre, pobre, exangue, é o país, mas isso parece ser uma coisa de somenos.
Creio que se sobrestima o poder do bando e do chefe do bando que se apossou do governo português.
Se o dinheiro secar - como parece que, finalmente, vai secar - e se o fizerem, se desaparecerem, árvore que cai no meio de uma floresta de enganos - farão, realmente, algum som?

terça-feira, outubro 19, 2010

Seguindo o conselho de um mail que recebi hoje (e me prometia a vida eterna e, salvo erro, €5 imediatos se o reencaminhasse) resolvi fazer uma coisa que gosto e vou passear porque o dia está magnífico.

domingo, outubro 17, 2010

«A degradação a que a nossa classe média chegou não se cura com menos de uma catástrofe. O primeiro-ministro, José Sócrates, não é um acaso, é um símbolo: o símbolo da vacuidade, da ambição e do oportunismo que o regime permitiu e protegeu.»

Vasco Pulido Valente, Público

sábado, outubro 16, 2010

E passa hoje mais um aniversário do assassinato da Rainha Maria Antonietta de França pelos revolucionários jacobinos.

Os processos fantoches sempre existiram. Com a revolução francesa foram usados em massa contribuindo para o estabelecimento e normalização de normas de cinismo e hipocrisia estatais.

sexta-feira, outubro 15, 2010

Não duvido de que no momento em que o louco sair, país, adversários e partidários, todos exangues, suspirarão de alívio.
E ficaremos todos, com mais sossego - porque o delírio cansa - à espera. De quê? Da normalidade, da monotonia. Que venham tempos difíceis mas com gente minimamente normal, ou se isso não é possível em Portugal, com os insanes do costume, cordatos e pacatos.

quinta-feira, outubro 14, 2010

a) Sem orçamento, dia 29 Sócrates sai, diz um ministro socialista. É pouco, como garantia, mas tomemos a coisa ao pé da letra.
b) Por outro lado, a proposta orçamental prevê um crescimento de 0,2 a 0,5%, que, contrarirando todas as previsões, se verificaria por causa da bondade das medidas governamentais - genericamente, pelo lado da receita.
Acrescento uma alínea:
c) Os mercados comportam-se racionalmente - coisa em que de um modo confuso o governo parece acreditar.
E uma conclusão:
d) Para sossegar os mercados, a saída deste primeiro-ministro é boa.

Depois, tudo será muito difícil? Sim. Mas temos menos uma dificuldade.
Isto é o que Sócrates quer?
Quero lá saber o que ele quer, desde que saia.

quarta-feira, outubro 13, 2010

Mais do que pressões indesejáveis, com a continuação desta romaria de penitentes, a nação suspensa da decisão de Passos, a fazer dele, de algum modo, se não ainda a redenção, pelo menos o novo mandarim, esta análise pode revelar-se correcta apesar de uma ligeira modificação: se proferida no limite do temporalmente possível, a palavra de Passos pode ser, em si, indiferente. A legitimação já começou e basta que o país perceba que esse último sim ou não é a primeira de uma outra época .
O resgate dos mineiros chilenos: ávido por uma genuína boa notícia - e para quem vive nesta triste terra, ver toda aquela gente, cheia de dignidade, coragem e alegria a celebrar merecidamente uma genuína vitória trata-se de uma visão tão pouco habitual que lavei nela a alma.

segunda-feira, outubro 11, 2010



Há 47 anos morreram os dois, no mesmo dia. A divina providência, em França, de tão instada pelo charme por vezes cede: quando soube da morte da cantora - "Ah, la Piaf est morte" - achou que a devia acompanhar: "Je peux mourir aussi." - e assim foi.


Se for preciso ajuda para pagar as passagens, contribuo. Não seja por falta de dinheiro que continuemos neste triste rumo.
Eles que mandem 2 ou 3 reformados, que acho que são bem suficientes para substituirem o governo inteiro.
Se pudesse haver um gerente de hotel suiço, também reformado, isso é que eu ficava muito grato. Podendo ser, já se vê. Não me refiro a um grande hotel. Um gerente de um hotel modesto já punha isto com outra cara. Já tenho pedido!
(Eu não nenhum prazer em ser um protectorado, como nos tempos de Beresford. Mas já que de facto somos, então que não estorvemos com o nosso gosto pelo fracasso as benesses que podemos tirar da situação.)

domingo, outubro 10, 2010

Neste 10.10.10 se declara ser o a. deste blog a favor do chumbo do Orçamento.
Apesar de todos os perigos referidos por gente que respeita. Aliás, por causa desses perigos, em particular, o que se relaciona com a auto-vitimização do 1º ministro. Todos eles, parecem, contudo, não levar em conta que o dinheiro acabou.
Um motivo que encerra em si vários outros para que não sejamos divindades complacentes com a hybris do Pinto de Sousa*.
*A hybris é do Sousa. Não esquecer. Do Sousa. É ele que deve ir peripeteiar.

quinta-feira, outubro 07, 2010



Música barroca e dança barroca, métodos eficazes para a ordenação da monotonia até ao esvaecimento da alma (ou sua evolação).

Mário Vargas Llosa, um grande escritor, credibiliza o Nobel que, não se sabe porquê, há muito se privava de ter entre os seus alguém com a estatura literária de Llosa.

quarta-feira, outubro 06, 2010

No dia em que chegam a Portugal os Reis de Espanha,

Dinásticas linhas de fuga

Sofia, princesa da Grécia e Dinamarca, Rainha de Espanha, filha de

Friederike, Princesa de Hannover, Rainha da Grécia filha de

Viktoria Luise, Princesa da Prússia, filha de

Adelaide, Princesa zu Hohenlohe-Langeburg, filha de

Ernst Christian, Conde zu Hohenlohe-Langenburg, filha de

Amália, Princesa de Solms-Baruth, filha de

Frederico, Conde de Reuss-Köstritz, filho de

Enriqueta Juana Francisca Susana Casado y Huguetan, marquesa de Monteleone, filha de

António Casado y Velano, 3. marquês de Monteleone, filho de

Isidro de Casado de Acebedo, 1. marquês de Monteleone, filho de

María Teresa Martinez del Mazo y Velasquez, filho de

Francisca de Silva Velasquez y Pacheco, filha de

Diego Rodrigues da Silva y Velázquez

segunda-feira, outubro 04, 2010

Indignações tristes estas, mas nunca pensei ver Portugal passar tão sem esperança tão negros dias.
Há uns tempos que não via os Conselhos do Prof. Marcelo e tinha decidido que viria para aqui rir-me e chorar-me de uma análise política, tão momento de donas de casa e pequenitos. Falta um apontamento culinário, breve que fosse, e umas receitas práticas de pastelões para aproveitamento de restos...
Escrevi viria e vim, mas a grande notícia foi a não eleição da candidata Flinstone Dilma, uma antiga terrorista muito admirada e elogiada por Hugo Chávez.
A democracia brasileira está de parabéns.

Pelo que se ficou a saber, certo é apenas que os portugueses pagarão, em 2011 e nos anos seguintes, os erros, a imprevidência e a demagogia acumulada em cinco anos de mau Governo. É por isso que, nestas circunstâncias, falar da coragem do primeiro-ministro e do ministro das Finanças, como alguns têm feito, é um insulto de mau gosto a todos os portugueses que trabalham, pagam os seus impostos e vêem defraudadas as suas expectativas de uma vida melhor. As medidas propostas, sendo inevitáveis, dada a dimensão da dívida e a desconfiança criada pelo Governo junto dos credores internacionais, não tocam no essencial da gordura do aparelho do Estado e nos interesses da oligarquia dirigente. Mas o pior é que estas medidas, pela sua própria natureza, não são sustentáveis no futuro e não é expectável que, com este Governo, se consiga o crescimento sustentado da economia.
De uma entrevista de Henrique Neto ao Público
Realces impensáveis

sábado, outubro 02, 2010

E, principalmente, como é possível ignorar que a Monarquia, apesar da sua decadência e da sua inoperância, fora um regime bem mais livre e legalista do que a grosseira cópia do pior radicalismo francês, que o 5 de Outubro trouxe a Portugal?
Vasco Pulido Valente
Há pouco, na Rádio Renascença, contava-se o golpe republicano num tom reverente e apologético, a roçar o pio.
A república de 1910 foi ferozmente anti-religiosa, atacou a Igreja Católica - que queria erradicar, como ensina aqui VPV - e cometeu crimes contra sacerdotes e crentes.

De nada disso se falava, naquela recitação da boa nova maçónica e jacobina.
Assim, com esta gente, de facto é difícil. Talvez mereçam mesmo a Bancarrota Sócrates, o irmão Almeida Santos, a sua pregação sobre a necessidade de sofrimento e as demais alegrias desta república.

quinta-feira, setembro 30, 2010

Os juros da dívida subiram e estão, neste começo de manhã, em 6,66%. É o número da besta, depois do anúncio das «medidas para combater a crise»
Lá fora, é o inferno.

sexta-feira, setembro 24, 2010

Não me deixar apanhar pela querela quotidiana.
Um povo que exibe os tiques de um adolescente mimado filho de pais condescendentes - e pobres - dificilmente admitirá a necessidade da frugalidade.
Os episódios a que assistimos, com mais grito menos grito, são os esperáveis.

quinta-feira, setembro 23, 2010



Les sanglots longs
Des violons
De l'automne
Blessent mon coeur
D'une langueur
Monotone.

Tout suffocant
Et blême, quand
Sonne l'heure,
Je me souviens
Des jours anciens
Et je pleure

Et je m'en vais
Au vent mauvais
Qui m'emporte
Deçà, delà,
Pareil à la
Feuille morte.

Verlaine

quarta-feira, setembro 22, 2010

Este blog completou hoje a primeira idade: comecei-o há 7 anos.
- É muito tempo. Quando releio alguns dos primeiros posts sinto (embora os pudesse ter escrito hoje) que do a. deles já parte é sepulta em mim .
Agora, mais velho e dotado de raciocínio tudo vai ser mais desagradável.
Que a razão me seja leve!

sábado, setembro 18, 2010

«[...]a degradação progressiva e significativa da conjuntura económica e financeira do país».

Não, não são coisas da velha, como a canalha que se apossou do país designava a Dra. Manuela Ferreira Leite. Nem do tonto tremendista Dr. Medina Carreira.

É mesmo um despacho desta tropa fandanga, acossada pela realidade.

sexta-feira, setembro 17, 2010

Com aquele ar de quem não tem muita paciência para aturar habilidades estultas de gente desonesta, a Dra. Manuela Ferreira Leite já havia dito que não havia dinheiro para o TGV nem para as «grandes obras».
Ontem, num noticiário, vi Constança Cunha e Sá - que é sempre agradável ver - explicar como a direita se encarrega de se auto-aniquilar ( o jovem Passos Coelho, que não soube estar sossegado e agora Ribeiro e Castro que pode ensombrar a vitória desse repositório de firmeza conservadora que CCS parece ver em Cavaco). E enquanto a direita se maltrata, a esquerda - que não comete estes erros infantis que divertem Constança, a esquerda adulta, madura, enterra sisudamente o país.

quarta-feira, setembro 15, 2010

segunda-feira, setembro 13, 2010

Ontem, num documentário do Odisseia alguém se indignava por alguns deputados mudarem o seu sentido de voto por pressão dos eleitores - no caso, em matérias relacionadas com o aborto.
A condenação da democracia representativa faz-se hoje abertamente: os eleitores apenas servem para dar uma aparência de legitimidade a quem ocupa o poder.

segunda-feira, setembro 06, 2010

sexta-feira, setembro 03, 2010

Em 3 de Setembro de 1792 foi assassinada com extrema e precursora crueldade, a Princesa de Lamballe, uma mulher corajosa que a revolução francesa não podia poupar.
A Princesa recusou-se perante o tribunal revolucionário a renegar o Rei e a Rainha.
Tinha voltado a França, vinda de Inglaterra, onde estivera a pedir auxílio para os monarcas, para continuar ao serviço da Família Real, quando já era evidente o carácter violento do novo poder republicano.

quinta-feira, setembro 02, 2010

Oh, its a long, long time
from May to December,
but the days grow short
when you reach September.

September Song

sexta-feira, agosto 06, 2010

À medida que lia, mais me convencia das semelhanças entre o violador de Telheiras e o estado português. Um violador de repartição que transferiu para a sua actividade mais flagrantemente delituosa a meticulosidade chata dos procedimentos administrativos.
Dúvidas?

«É que, após o interrogatório e antes de abandonar o local, o suspeito exigia-lhes as respectivas carteiras, sacos ou mochilas, que revistava minuciosamente, incluindo todos os documentos.
Também os telemóveis eram detalhadamente vistoriados e lidas as mensagens.»
e «o agora acusado apropriava-se também e em regra do dinheiro das vítimas. Começava por as mandar esvaziar os bolsos e as carteiras ou sacos, exigindo-lhes que lhe entregassem o dinheiro.»

Não seria surpreendente que tivesse avisado alguma das vítimas de que tinha o BI caducado ou a morada desactualizada.

E que a Justiça lhe levasse tal à conta de atenuante.

quarta-feira, agosto 04, 2010

Em Portugal há muito que não há dilemas morais (e, por isso, políticos, que é uma disciplina da moral), desde logo porque tudo aqui é e, também, com modorra e sem pasmo, o seu contrário.
Assim, grande parte das grandes questões da cultura do mundo - e as oriundas da tradição racional do ocidente, em particular - são entre nós coisas supérfluas e incompreensíveis.

terça-feira, agosto 03, 2010

Soía trazerem estes primeiros dias de Agosto o que agora falta: inícios entusiasmados e brisas.

segunda-feira, agosto 02, 2010

A Bloomberg transmite a notícia do aumento em 4% acima do previsto da despesa pública portuguesa. Classificou-a de painful.
Mas, por cá, parece que não, que não é coisa grave.

quarta-feira, julho 21, 2010

Assim penso, também.
A permanência de Sócrates no poder é a tradução da total incapacidade de inovação da sociedade portuguesa - ao contrário do que dizem os mitos da tão propaladada inventiva pátria.
A revisão constitucional et coetera:
Mas já há dinheiro? Os bancos financiam-se sem dificuldade nesse estranho mundo dos adultos?
O ritmo do endividamento já baixou, ou continua a ser de muitos milhões por dia? Já baixou? Não?

terça-feira, julho 20, 2010

Torna-se evidente que a revisão constitucional é essencial para o restabelecimento do crédito e readaptação da economia do país.
A gente nem percebe como Tatcher fez o que fez na Grã-Bretanha sem uma constituição escrita para mudar, pelo menos na Inglaterra.
Mas está tudo, finalmente, muito feliz e o número de representantes da República nas regiões autónomas é, sem dúvida, um assunto à altura da nossa vida intelectual e politica.

sábado, julho 17, 2010

Ouve a gente as propostas (legislaturas de 5 anos) e torna-se evidente a grandeza e profundidade do estadista em época tão conturbada.
Arrebatora ideia, ideia arrojada.
(Estou muito dado a quiasmas)

sexta-feira, julho 16, 2010

Antevêem-se maus tempos para a Europa.

Lá, como cá, a mediocridade, o voluntarismo dos incapazes, a escroquerie, a chantagem, a desonestidade política - levada quase ao gansterismo - não compensam.

Valha-nos essa certeza.

quarta-feira, julho 14, 2010

E perpassando por todas estas coisas desagradáveis que, se não me agitam, me fazem mudar de um lado para o outro do sofá, ainda a crença de que o povo deteria virtudes salvíficas e mezinhas redentoras - e "saberes". Não detém. O que o povo tinha de defeitos e virtudes está agora à vista, para ilustração de todos. Desde há muito tempo que o povo não governava com tão sem entraves. Desde há muito que não estávamos tão perto da desgraça.
Não tem de ser necessariamente assim, mas aqui a agora, foi-o.
Leio o livro de Agatha Christie - com um humor que me faz tão bem quanto uma manhã de praia - e preguiço.
Lá fora, a ameaça de bancarrota, as declarações patetas do 1º-ministro ao FT e a lembrança do 14 de Julho, os tempos da contemporaneidade traçados a genocídios que então começaram para delírio e terror das gentes.

terça-feira, julho 13, 2010

A tradutora do Na Síria traduz «savoir faire» por «astúcia». Tomo isso como um pequeno brinde.

segunda-feira, julho 12, 2010

Ontem adormeci a ler Na Síria, de Agatha Christie. O único que publicou com o nome do seu marido, Sir Max Mallowan.
Um perfeito livro de férias, de férias de outros tempos, com cheiro a maresia, baunilha e bolas de berlim e sem toda esta gente desagradável que pulula agora por todo o lado.

terça-feira, julho 06, 2010

segunda-feira, julho 05, 2010

Telecom, politica, etc: a gente vê esta assembleia de afinidades e lá está, não há que enganar, o velho espírito da União Nacional.

sábado, julho 03, 2010

É, o estado português, depois de tantos anos de governo socialista esqueceu a boa educação e a boçalidade reina.
Tudo o que Paulo Nozolino conta é grotesco, mas é o quotidiano de milhares de pessoas.
Meditação de fim de semana
O que me impressiona não são as asneiras do governo, expectáveis. O que verdadeiramente me acabrunha é esta opção pela agonia lenta.
P.S. Há pouco fui parar a um jornal de província onde li aspeto por aspecto. Percebi que deve ser o "acordo". Como qualquer asneira em Portugal tem o campo livre para alastrar: é o gosto pela miséria grátis e inútil. Como se pode combater isso?

sexta-feira, julho 02, 2010

A lenga-lenga dos problemas, dizia ontem o António Costa.
O desemprego, a privação quotidiana, a fome são uma mera cantilena, um aborrecimento.
Quem dizia que o optimismo era um insulto para os pobres?

quinta-feira, julho 01, 2010

terça-feira, junho 29, 2010

Futebol: poupados ao espectáculo tristíssimo desta gente a conjecturar futuros ridentes.

segunda-feira, junho 28, 2010

E deixei de comprar o Expresso.
Ontem, com aquele ar simpático de explicador caro, Marcelo Rebelo de Sousa, referindo-se à queixa apresentada por Manuela Moura Guedes contra Sócrates falava da alguma folga com que os tribunais julgam «estes» casos e lembrava situações entre políticos e entre estes e comentadores. Não lhe ocorreu que aqui não se trata de dois políticos mas de um primeiro-ministro e de uma particular, o que basta para a gente perceber a pouca propriedade das analogias que estabeleceu. E resolvido este assunto partiu para uma apurada análise e resumo sobre o futebol.
Marcelo, sempre jovem, conserva os tiques do menino promissor que terá sido. Recitaria poesia, como o Eusebiozinho?

sexta-feira, junho 25, 2010

A intolerância para com o Cristianismo e o Catolicismo em particular está a atingir níveis perigosos de fanatismo.

quinta-feira, junho 24, 2010

A proposta de lei dos chips foi reprovada, o que é uma boa notícia, independemente do pouco que seja o que for significa, hoje em dia.
Mas, mesmo assim, uma boa notícia num tempo e num lugar onde não têm abundado.
Esquecia-me de responder: claro que valeu a pena: ficámos todos cientes da extrema fragilidade das nossas instituições, de como se desfaz até a aparência mesma de um estado de direito, percebemos que tratar o governo como um inimigo ou, pelo menos, como uma entidade perigosa é um princípio de que se não deve abdicar, por mais que assim nos digam que assim não devesse ser; vimos o funcionamento da corrupção em interstícios da administração que pensávamos - tolamente - a salvo. Apercebemo-nos da pusilanimidade dos políticos, e da indiferença das élites (das mais circunspectas e reservadas, das que podem fazer seguir as suas palavras de actos eficazes para originar mudanças) e isto perante uma desgraça objectiva que se traduziu, para além dos estragos na organização política, no empobrecimento do país.
Serviu ainda para vermos o que somos, afastada que está do poder a geração que se forjou na luta pela democracia, que era ainda uma luta de élites. Sócrates, não: é o cidadão comum, a face vitoriosa do Zé Povinho suplicante.
Valeu a pena? Valeu, como tudo, se aprendemos alguma coisa.
Conviria fazer outra pergunta: isto tudo, a quem aproveitou? A quem aproveita?
Li este artigo, a partir daqui e, mais uma vez, ao lembrar o Caso Buarque penso no estado de absoluta e grotesca imoralidade (ou de insanidade) a que esta gente do governo chegou.
Coisas que me incomodam muitíssimo:

1 - A ideia dos chips nas matrículas;

2 - Achar-se que isso não é importante.


E incomodam por isto.

terça-feira, junho 22, 2010

Tempo de reler «A Ilustre Casa de Ramires»
O problema é que a minha edição, a do Centenário, nunca foi encadernada e os livros mais lidos estão a ficar em mau estado, mas usar uma dessas edições que há para aí, com páginas que têm a dimensão, a disposição e a decoração de um apartamento de arrebalde é uma hipótese lúgubre. Não que o livro desabe nas minhas mãos, mas cada vez que pegar nele serei remetido para a minha negligência, preguiça e outros defeitos que invadem o jardim estreito das minhas virtudes, e ler sob o peso da humilhação não é o melhor dos exercícios.
E a saudade aperta:
«Desde as quatro horas da tarde, no calor e silêncio do Domingo de Junho, o Fidalgo da Torre...»

segunda-feira, junho 21, 2010

Nas zangas que por aí vão - dentro e fora dos blogs - estranho sempre que todos se tratem por tu, se dêem muito bem e tencionem continuar a dar.
Sei que Portugal é pequeno, que os tempos vão de informalidade e que, como dizia o Sérgio, «guerra às ideias, paz aos homens», mas estou em crer que uns pares de estalos e uma inimizade franca, forte e honesta contribuíriam para limpar os ares.

domingo, junho 20, 2010

Tarde consumida em paisagem romântica portuguesa (João Cristino da Silva), num poema de Robert Frost e outras coisas avulsas.
Depois, vi Marcelo Rebelo de Sousa achar mau o alargamento do prazo dos contratos de trabalho. Pensei, mais uma vez, que a vida profissional de um norte-americano bem sucedido seria considerada, apesar disso e segundo os nossos padrões, uma vida em «trabalho precário».
Entre ontem e hoje soube que alguns portugueses estão a tirar os seus filhos dos colégios, isto no país europeu onde se compraram mais carros, leva-me a crer que, sendo parte de uns e de outros os mesmos, mais não fazem do que condizer consigo próprios.

sexta-feira, junho 18, 2010

Gaffes: ensinaram-me que nunca se deve tentar compor as coisas, as emendas são sempre piores. Sigo o conselho e nunca me arrependi.
No entanto, pior do que as gaffes, são as falsas gaffes: geralmente são reflectidas e contêm um aviso sério.
Depois da declaração do socialista Straus-Khan, que pode Portugal esperar?
O público tem uma existência longínqua para os serviços públicos.
Existe, abstractamente, na teleologia da empresa, mas o utente concreto é considerado uma contrariedade que afasta o serviço da prossecução dos seus fins maiores e mediatos (o bem público e outras coisas graves).
E, para os atingir, esses escopos divinos, nos imediatos, o grande esforço deve ser o preenchimento das necessidades internas - ia escrever íntimas - dos serviços.

quinta-feira, junho 17, 2010

Uma alucinação comum consiste em crer que todos aqueles que nos cercam foram substituídos por estranhos. Pais, filhos, amigos, todos eles desapareceram e são agora sósias que ocupam os seus lugares.
Assim me parece ter acontecido em Portugal com o governo e as instituições do meu país, nos últimos anos.
Para dizer a verdade, parece-me que todo o país foi substituído por um outro. E isto não quer dizer que o original fosse um modelo de virtudes. Era mau, mas mais genuíno e, por isso, a seu modo, mais honesto do que este.
Esta noite, acordado até tarde a ler sobre alucinações. Eu e o autor deste blog.
STALINISMO* dos nossos dias.






* Há quem se refira a «fascismo» para descrever situações deste género, mas o comunismo (em todas as suas variantes) e o Photoshop parecem nascidos um para o outro: trata-se, em ambos, de corrigir uma realidade inconveniente.
Não creio que fosse prática do fascismo, porventura mais resignado com as imperfeições.

segunda-feira, junho 14, 2010

A intervenção do Prof. Doutor Ernâni Lopes no Plano Inclinado do dia 12 é do mais importante que foi dito sobre Portugal nos últimos anos.
Conviria que se visse, estudasse e meditasse.

sábado, junho 12, 2010

Chama-se a isto tirar as palavras da boca.

Se os polícias lessem mais literatura fantástica, estariam mais abertos à chateza quotidiana, onde os acidentes de automóvel sobrepujam as fugas e os homicídios.
E se os bombeiros e unidades de salvamento tivessem melhor preparação e culto da minúcia, também não seria desvantajoso.

quinta-feira, junho 10, 2010

O presidente Silva afirmou que o país está numa «situação insustentável».
Mas logo o primeiro-ministro Pinto desmentiu o presidente Silva, limitando-se a considerar que passamos por «uma situação de dificuldade».

Ou o presidente Silva fala com convicção, ou não.

Se sim, e perante um primeiro-ministro que não se apercebe da gravidade da situação nacional, deve, para ser leal ao juramento prestado, tudo fazer para salvar o país, afastando da chefia do governo um incompetente.
E para isso não é preciso rever a constituição. É preciso, apenas, não ser timorato nem medíocre.

Camões em uniforme de serviço no regimento
das glórias nacionais, séc. XIX.

quarta-feira, junho 09, 2010

Sobre as reformas que já teríamos feito (e com um resultadão, como se prova aqui, no Quarta República):
Creio que, no meio da desgraça, terá alguma graça seguir as relações entre Portugal - governo e o seu presidente Silva, incluídos - e a UE.
O que aquela gente lá de fora vai passar até descobrirem que, se por um lado bastaria telefonar e dar a ordem directa, com a respectiva ameçaça, por outro é inútil qualquer outra coisa mais subtil.
A não ser que a desfaçatez e loucura chegue a tanto que tenha de ser uma ordem directa, em voz alta, que deixe o Silva presidente e o seu governo sem pio.

terça-feira, junho 08, 2010

Muito bom !

Faz lembrar a história contada por Gorbatchev sobre o secretário geral do partido comunista e presidente da Alemanha Oriental, Erich Honecker. Quando visitou a defunta Alemanha de Leste, para convencer o regime a fazer reformas, foi-lhe dito por Honecker que, felizmente, a RDA já fizera todas as reformas.
Já de manhã ficara boquiaberto com as palavras do Santos das finanças.
Começo a pôr a hipótese de loucura colectiva.
Uma senhora que é não sei quê da «educação» vem dizer - com ar valente e arrojado - que há violência nas escolas.
Mas é evidente que há violência ans escolas. Se a autoridade legal se retira, instala-se a violência e a lei do mais forte.
O que é que ela esperava?
Eça de Queiroz conta-nos como no Parlamento britânico era amiúde discutida a dimensão da nossa ignorância e estupidez.
Há pouco, enquando via o ar paciente com que se aconselhava a Portugal a efectuar mais algumas reformas, lembrei-me da postura que o professor adopta para com um aluno pouco inteligente: os europeus perceberam que esta gente que dá pelo nome de "governo português" está minimamente convencida que fez mesmo reformas e usam de «compreensão» a condizer com o que eles pensarão ser atraso.
Mas em breve descobrirão o lado cábula (ou louco) e o tom mudará.

segunda-feira, junho 07, 2010

Mais post crise: depois dos britânicos, os alemães hoje. Em Espanha, Aznar já falou na necessidade de acabar com a agonia do país.

Enquanto isso, por cá, o Silva presidente e o Pinto ministro disseram ambos baboseiras, mas salientou-se o Silva, com aquilo das férias cá dentro.
Perante a quantidade de assuntos que ou são postos de lado, ou passam sem mais discussão, devido à crise, conviria ver como foi na Grã-Bretanha durante a II Guerra Mundial: que assuntos discutiam, que assuntos não evitavam.
Fica aqui o convite. Verão o que aquela gente discutia enquanto as bombas caíam sobre Londres - e no Parlamento.
Sempre se dirá, que, entre outras coisas, houve uma moção de censura ao governo de Churchill.

Que diria disto o Silva presidente?
Encontrei aqui o alívio daquela terrível impressão de ter esquecido qualquer coisa.
Assim, embora com atraso, mais uma vez me cabe agradecer aos Estados Unidos, à Grã-bretanha e seus Domínios a liberdade trazida à Europa.

domingo, junho 06, 2010

Mais vozes do mundo que vem aí (desta vez, más notícias, felizmente, que as boas têm sido quase letais):

«O primeiro-ministro britânico, David Cameron, declarou hoje que o seu país conhecerá anos de "sofrimento" para permitir a redução do défice público e o peso "enorme" da dívida.»


sábado, junho 05, 2010

As diferenças que fazem a diferença:

"O tempo deste Governo está terminado e cada dia que passa, sem que os espanhóis possam expressar a sua opinião e apostar numa mudança, é um prolongamento inútil da agonia do país"

Já antes, Aznar apontou a responsabilidade ao abandono dos critérios do Pacto de Estabilidade e Crescimento, possibilitando o déficit

É a primeira voz firme que ouvi de e para uma Europa post crise

terça-feira, junho 01, 2010

segunda-feira, maio 31, 2010

O Presidente alemão demitiu-se por ter dito não sei o quê* sobre o Afeganistão, o que terá gerado alguma polémica.
E, por isso, demitiu-se.
Se aqui alguém sugerisse que o presidente se demitisse por uma questão similar, o que seria de clamores de insensatez, à esquerda e à direita. Seria oportuno? Seria adequado? Seria, oh velho bom senso lusitano, sensato? Judiciosas questões, graves questões que exigem tempo para ser meditadas.
Esta sensatez tem, todavia, um preço: a obrigação de respirarmos o ar do fundo do poço.

*Falado sobre as motivações económicas da guerra
Escolaridade média dos portugueses é a segunda pior da OCDE

E por causa disto, milhares e milhares de palavras a mais, gastas em blogs, jornais, televisões.
Palavras que uma melhor educação impediria, por inúteis, redundantes, despropositadas. Nada melhor que uma inteligência treinada para simplificar as coisas.
Seguindo as boas regras da hagiografia, o suposto pedido de Buarque só era atendível mediante um sacrifício, mesmo que pequeno, do santificando. Ei-lo: "Para que tal ocorresse, porém, o primeiro-ministro saiu de um encontro com empresários portugueses no Rio de Janeiro para se encontrar com o cantor".
Ternurento, sublime, santificante!
Assim se percebe o amor que a hierarquia da igreja portuguesa lhe tem dedicado.

sábado, maio 29, 2010

A gente lê isto e, numa muito benigna interpretação das intenções que jazem por detrás do despacho de Mota Amaral, chega à conclusão que para evitar sobressaltos, andamos todos em sobressalto, pela lama.

sexta-feira, maio 28, 2010

Em dois comentários a blogues, espalhei o meu pragmatismo aferido pelos resultados: se estamos no atoleiro moral, político, económico e financeiro não foi por termos deixado de ceder ao «não vale a pena pensar agora nisso» ao «não é oportuno» e demais desculpas de circunstância, na saloia suposiçao que a falta de valores «paga».
A má sina portuguesa tem nomes: a dos deputados de esquerda (PCP, BE e PS) que votaram a favor do TGV.

A responsabilidade pelo sofrimento que essa votação - imobilista, afinal - trará é deles.
E de quem os elegeu.

A não esquecer.
(Ler com um ar sério e definitivo)
Sou leitor assiduo do Sorumbático, um blog interessante e simpático.

Ontem encontrei um post que se indignava com críticas ao Eng. Guterres, o fugitivo.

Tinha de desabafar.

«Quanto ao Eng. Guterres, trata-se, de facto, de pessoa preparadíssima! Preparadíssima. Os efeitos da sua proficiente governação estão à vista e serão duradouros. Duradouuros! Um portento, e rapaz de muito talento. O mundo todos os dias pasma por breves momentos com o talento e a preparação do Sr. Eng. Guterres. Preparadíssimo. Não sei mesmo se "estadista genial" ou, mais caseiramente, "talentaço" não são as expressões que imediatamente deviam ocorrer a quem se dedica ao estudo destas coisas da governação. O actual também é rapaz talentoso e preparado. Vá lá a gente escolher entre os dois! Tão eminentes, tão fora do vulgar! É difícil! É muito difícil. Talentos, forças da natureza! A direita, já se sabe, só crimes. Crimes horrendos.»

quinta-feira, maio 27, 2010

Hoje passou por aqui onde vivo uma qualquer individualidade.
Houve fanfarras e havia polícias - há meses que não via um!
Agradeço o cuidado: assim que me apercebi da coisa, fechei-me no gabinete e guardei a carteira em lugar seguro.

quarta-feira, maio 26, 2010

Sob o choque da descoberta de Katyzinha.

Choque que agravou, até à tremura, quando percebi que a moral Katyzinhana é a do eng: bom é aquilo de que se gosta - e sem grandes divagações sobre -, exista realmente ou trata-se de mera efabulação e mau é o resto.

terça-feira, maio 25, 2010



Um standup de um pouco dotado comediante de subúrbio. A ignorância sobre as coisas do vasto mundo - e o lugar que nele ocupa - fica ilustrada com a história do telefonema de Obama a Zapatero, que ele não crê ser possível.
Agradece-se ao 31 da Armada este momento único de absoluta miséria intelectual e política.

Cumprirá dizer que a culpa principal não é do cómico inepto, mas de quem o pôs lá e lá o conserva. E nem falo de Prorrogação Silva que, na essência, pouco difere deste.

segunda-feira, maio 24, 2010

Aqui se encontra uma possível nova causa fracturante:
Afinal, podendo casar com o que quiserem, na adopção (do que quiserem) haverá estranhos progenitores e adoptados, talvez mesmo coisas, o que, não sendo, afinal, mais improvável do que dois homens ou duas mulheres gerarem entre si uma vida, não deixa de ser estranho, embora com a indiscutível vantagem da adopção de, por exemplo, peças de mobiliário não trazer qualquer perigo para o adoptado.

Interessante verificar que naquela escrita o outro é sempre o objecto de um desejo a satisfazer sem entraves. Não se diz "casem-se", mas "casa-te": é a educação mimada do filho único pequeno-burguês.

sábado, maio 22, 2010

placebo rima com desconcebo
e
abalo rima com Kahlo.

Num verso, Dickinson, Plath, Woolf e a dita Kahlo, juntas, lembram uma promoção de feira.

Mas não é, é um sumário civilizacional.

O Pedro Mexia gosta muito.

sexta-feira, maio 21, 2010

Para ajudar a que passe mais despercebido o fragor da derrocada, duas deputadas socialistas andam a propor mudanças nos feriados. E conseguem os seus intentos, porque há gente a discutir a questão (nesta altura!)
Importa saber que o número dos nossos feriados, ao contrário da economia e das finanças ou da lisura govertanmental, se situa na média europeia e o resto, incluído um pateta dia de familia a 26 de Dezembro - quando se desacansa dela! - não passa de mais um esforço de descristinização que começou com a revolução francesa (com calendário, instituição de festividades cívicas e outros perfeitos horrores).
Cansaço.
Para pensar.

quinta-feira, maio 20, 2010

Não tenho uma visão conspirativa do mundo, mas daí a acreditar que não há quem pense o país - mesmo que intermitentemente - e que essa reflexão não tenha depois uma tradução em acções eficazes vai uma distância a não transpor. Desde logo, porque em relação a Portugal há, lá fora, quem possa, abertamente, tomar decisões que nos afectam profundamente.
Não é em vão, penso, que ouvi hoje, num simples dia, na televisão, dizer do primeiro-ministro o que em anos foi calado e consentido.
Sócrates é uma mera sobrevivência conveniente, as questões das obras públicas um exercício e o país está a ser preparado paulatinamente para as medidas severas e necessárias idênticas às tomadas em Espanha ou mesmo na Irlanda.
E espero que isto não seja um caso de uma aspiração tomada pela realidade.

quarta-feira, maio 19, 2010

Depois de o Dr. Fernando Ulrich ter dito isto:

"O dia em que batermos na parede não está muito longe. Talvez por semanas. Lamento, mas o país tem de saber"

...e num dia mau para as bolsas europeias,

em Portugal, o BPI do Dr. Fernando Ulrich fechou a ganhar 10,48%

Por seu lado, o BES do Dr. Ricardo Salgado - que não poupou ao longo dos tempos elogios a Sócrates - caiu 3,07%

Os mercados não são cegos.

terça-feira, maio 18, 2010

Inconvenientes do atraso: numa democracia do 1º mundo tanto Cavaco como Sócrates não ocupariam nunca os cargos que ocupam, o que nos teria poupado muitas maçadas.
Aquela deste triste país ser um exemplo a seguir é pura demência.
Ninguém pede uma junta médica?

segunda-feira, maio 17, 2010

A comunicação: mais um (esperado) momento nulo de uma nulidade - que espero não ver reeleito -, uma desmonstração de falta de princípios ou de coragem para proceder de acordo com eles.
Como sempre, tudo em nome do agora não pode ser que isto está perigoso.
"Isto" está como está por causa de atitudes deste jaez.
Cousas espantosas

O deputado que palmou os gravadores aos jornalistas ainda está em funções.
E há jornalistas que não se recusam a entrevistá-lo!

Enquanto isso, um ministro troca-tintas vai apresentar as meias-tintas a Bruxelas. Sem espanto, o medo de incumprimento por parte de Portugal não pára de aumentar.

O Presidente da Câmara do Porto disse que as manobras do governo para a transferência de verbas de um tgv para uma ponte era "grave, muito grave".
Eu diria mesmo que é excessivamente grave, como dizia o afável ministro da Suécia, o amigo de Carlos da Maia.

(Entretanto, o menos amável Ministro das Finanças sueco, exige quer as nossas continhas e as dos espanhois bem em sítio onde se possam ver. Começo, finalmente, a achar que isto pode ser interessante)
Na RR, ontem, ouvia-se Ferreira do Amaral, Eduardo Catroga e Silva Lopes. Um conforto no desconforto: o de perceber que a conversa é sobre a realidade, que os problemas do país são aqueles e isto concordando-se ou não com teses e interpretações.
É que, Portugal parece uma caricatura, em tons carregados, daquelas ocasiões trágicas em que os governos especularmente não souberam estar à altura da situação.
Não me surpreenderia que o inacreditável anúncio da 3ª travessia do Tejo tivesse em vista coisas bem longe do interesse nacional: esta gente, perdido o pudor, mosta-se como veio ao mundo, sem escrúpulos, ou leve ideia do que tal seja dela.
E o dito presidente da república que tão pateticamente disparatou está calado, sem uma palavra sequer para a necessidade de discutir seriamente os problemas de Portugal.
A uns e ao outro irmana-os a mesma pouquidade.
A todos nós outros, a desgraça.

sábado, maio 15, 2010

O meu primeiro fim-de-semana passado num protectorado.
Como será?
Para já, o começo da história, o acto fundador:

"[...]o país sofreu a maior humilhação nacional deste último século. O que mostra aonde chegou o país, mas também o que sempre foi a "Europa". Poderia ser de outra maneira? Não parece. Como contar com a mais vaga "solidariedade" ou sequer delicadeza do sr. Sarkozy ou da sra. Merkel, que não nos conhecem ou têm qualquer motivo para gostar de nós? Para quem nos paga (e de certa maneira somos todos pagos) não passamos de um povo inferior e semibárbaro, que gasta prodigamente o dinheiro que não ganhou e que depois vem de mão estendida pedir esmola. Os ricos não respeitam mendigos; de maneira geral, correm com eles. Sobretudo, correm com os mendigos que não percebem, ou fingem que não percebem, o seu lugar no mundo e tentam aldrabar o próximo e viver a crédito."
Vasco Pulido Valente, no Público
Bento XVI aos bispos portugueses:
"Na verdade, os tempos que vivemos exigem um novo vigor missionário dos cristãos chamados a formar um laicado maduro, identificado com a Igreja, solidário com a complexa transformação do mundo. Há necessidade de verdadeiras testemunhas de Jesus Cristo, sobretudo nos meios humanos onde o silêncio da fé é mais amplo e profundo: políticos, intelectuais, profissionais da comunicação que professam e promovem uma proposta mono-cultural com menosprezo pela dimensão religiosa e contemplativa da vida. Em tais âmbitos, não faltam crentes envergonhados que dão as mãos ao secularismo, construtor de barreiras à inspiração cristã. Entretanto, amados Irmãos, aqueles que lá defendem com coragem um pensamento católico vigoroso e fiel ao Magistério continuem a receber o vosso estímulo e palavra esclarecedora para, como leigos, viverem a liberdade cristã."

Com os agradecimentos devidos ao compilador.
Reparo que hoje que a maioria dos meus leitores vem do Bomba Inteligente e do Pastoral Portuguesa.
Creio que vou pôr em cabeçalho: Leitores das melhores proveniências

sexta-feira, maio 14, 2010

Portugal está ávido de quem lhe fale como a um adulto.

Com o regresso a Roma do Santo Padre, voltamos à mediocridade habitual e às ridículas canções de embalar.

quinta-feira, maio 13, 2010

Numa reportagem da SIC esclarecia-se pressurosamente que o fecho das repartições fechadas que causava incómodo aos utentes era por causa do Papa.
Os males de Portugal são culpa de Sua Santidade, de Bruxelas, dos especuladores internacionais, das agências de rating.
Já quanto à incapacidade do governo, às mentirolas e à mediocridade e absoluta incapacidade do primeiro-ministro, devem-se classificar como calamidades naturais de país com azar, sendo, por isso, injusto assacar-lhes quaisquer responsabilidades e, muito menos, culpas.
A noção que tenho é a de que a realidade, tal qual é acaba no Caia. Por aqui vive-se num estado crepuscular de demência grotesca, uma espécie de cruzamento entre os autos populares, a revista do Parque Mayer e o teatro do absurdo.
Basta atentar nas diferenças entre as medidas tomadas em Espanha - e, principalmente, no tom do leader da oposição para se perceberem as diferenças de Coelho (Passos). É ler aqui, via Cachimbo de Magritte
Os esforçados leitores deste blog merecem saber desta pequena verdade: após, por breves instantes, ter saboreado o facto de Manoel Oliveira e eu partilharmos o mesmo “o meu hotel habitual em Lisboa” e porque quem me ia buscar demorava - uma demora apenas compreensível por ceatas fora de horas - tive de me esforçar para não pedir ao realizador de Le Soulier de satin boleia para o CCB...
E não tive qualquer vergonha desta ideia prática que se me afigurou sensata.

quarta-feira, maio 12, 2010

À saída CCB, depois de encontrar muita gente, um café numa pastelaria perto. A dona explicava que tinha visto o Papa como daqui praí, porque S. Santidade tinha mandado parar o carro e saído - ela sublinhou este saído - para cumprimentar abençoar umas crianças de um colégio que ali o tinham ido ver passar.
Para além da surpresa pela proximidade súbita e inesperada com um grande do mundo, senti a afeição verdadeira por este, tão afável para com os pequeninos, tal como ela teria ouvido dizer, em pequena, que fazia o Outro.
Manoel de Oliveira no CCB, ágil e sensato, lembra a raiz cristã de Portugal e da Europa.
Quando ajoelhou e beijou a mão a Bento XVI as muitas palmas recrudesceram (o mesmo se passou quando Pedro Mexia beijou o anel do Pontifice).

O Papa falou depois, não se ouvia muito bem, e só aqui, já chegado a casa, apreciei a dimensão do apelo papal: "Fazei coisas belas, mas sobretudo tornai as vossas vidas lugares de beleza" o que exclui o culto d'"o «presente» como fonte inspiradora do sentido da vida".
Posted by Picasa
Fui um dos não merecedores que tiveram o seu lugar na plateia do CCB.
As fotografias - tentei 3 vezes - ficavam com este clarão.
Por fim, compreendi.
A caminho do encontro com o Santo Padre, encontro Manoel de Oliveira no hall do hotel.

segunda-feira, maio 10, 2010

Uma floresta clássica tal como as pintavam nos pratos ingleses do século XIX, uma família de deuses da classe média, um incompreendido poema de Emily Dickinson, uma espiga da Quinta-feira de Ascensão que aí vem.
Não é pedir muito para lembrança do tempo que em mim passa.

domingo, maio 09, 2010

Vivemos uma situação estranha: o estado das coisas é aquele para que nos advertiu a Dra. Manuela Ferreira Leite, as medidas económicas foram as a Dra. Manuela Ferreira Leite preconizou mas, provavelmente impostas de fora e executadas defeituosamente, de contra-vontade, incompletas, imprecisas, e por um governo chefiado por um ignorante inepto num ambiente de saguão moral, não produzirão os mesmos efeitos.
Ah, o sim do BE e PCP às megalomanias público-privadas demonstra quanto a existência daqueles partidos é sinal do nosso atraso.

quinta-feira, maio 06, 2010

Só ontem à noite vi o video da entrevista do Rodrigues.
Que bem que furta o senhor deputado! Que bem que furta!

terça-feira, maio 04, 2010

'The Portuguese will need some money sooner or later, I think it is quite likely,' Gros said at a briefing in Brussels, mentioning 100 billion euros as a ballpark figure.

Portugal's gross external debt - a measure of its vulnerability to default - reached 226 per cent of its gross domestic product (GDP) in the third quarter of 2009, Gros stated.

Greece's was 167 per cent, Spain's 164 per cent, Italy's 121 per cent, while in Hungary it rose to 141 per cent in 2008, the year the country was bailed-out by the European Union and the IMF."
Não ganhámos nada com estes 5 anos de mediocrecracia.

Não havia méritos escondidos em sócrates, silvaspereiras e quejandos. São nulidades, sem nada a dar, não eram nem são talentos desprezados ou espezinhados a precisarem de uma oportunidade para desabrochar: não... Eram meramente medíocres, incultos e nocivos.
Agora que já verificámos isso, talvez conviesse voltar aos melhorzinhos.

domingo, maio 02, 2010

Era no 8 de Dezembro e assim devia ter continuado, dizia-me.
O desagrado pela mudança não passava dum esboço de protesto pelas coisas modificadas sem razão, mas contribuiu para que o dia não tivesse parte destacada na liturgia sentimental cá de casa, ficando uma festa pequena, devoção de aldeia; e agora que já não se celebra, a saudade é a de uma romaria humilde e antiga.
A descoberta de que somos indizíveis e consequente apaziguamento do desejo narrativo ( nas sua facetas didáctica e exemplar e fundadora de legitimidades) - instala-nos nas nossas lembranças com um indizível e calmo prazer.

quarta-feira, abril 28, 2010

Não esperaria grandes resultado da reunião daqueles dois experimentados estadistas em S. Bento.

E era bem que nada esperava. O rendimento de reinserção? Não chega - como era de esperar.
Esta gente - duas mediocridades - parece ser especialista na insuficiência.
Isto é, a única declaração relevante para Portugal será a de Ângela Merkel.
Fica manifesta a total incapacidade, a raiar o criminoso, deste primeiro-ministro.
Esperemos que seja o fim de uma ilusão (quase) inexplicável.

Idem, a actuação de Cavaco, mudo e quedo não se sabe em nome de quê ou de quem.
É mais ou menos isto. Sim, também.

Como em todas as desgraças há uma parte boa: não se vê tanto a gentalha do governo ou as graçolas do engenheiro.

terça-feira, abril 27, 2010

Um dia miserável: a bolsa de Lisboa desceu 5,36% e a dívida da república está a caminho de se tornar junk bond, uma coisa perigosa que as pessoas sensatas evitam.

O Portugal de sócrates em todo o seu esplendor.
Quem diz que vivemos no marasmo, que a monotonia nos perseguia?
Segundo a CNBC e a Bloomberg, somos um país de alto risco.
Allrisc, como diria o desastrado Pinho.

O inverosímil Sousa (primeiro-ministro) ainda há-de proclamar a modernidade do fiado.

segunda-feira, abril 26, 2010

As bolsas estão positivas (algums a valorizarem mais de 1,5%) ou neutras no mundo inteiro.

A de Lisboa, - tal como a de Atenas - desce mais de 3% e o yield dos bonds portugueses sobe 25 pontos. O mesmo para CDS (credit default swaps, que atingiram records absolutos.
Na CNBC ouve-se falar em Greece e Portugal.
Creio que a farsa acabou.

Nota: o banco daquele senhor Espírito Santo que tece muitos elogios ao actual primeiro-ministro desce, nesta altura, mais de 3%.
Nas alturas em que a devastação se torna mais visível, resta esperar que assim seja, que assim seja como diz, Fräulein Weichbrodt.

sexta-feira, abril 23, 2010

Entretanto, por estas coisas (Pres. Ass. Sindical Juízes defende extinção da Ordem dos Advogados) percebe a gente que a democracia é um regime muito pouco entendido em Portugal.
Seria muito difícil traduzir esta situação no Reino Unido - ou em qualquer país do 1º mundo.
Creio que não vale a pena chamar a atenção para o aleijão que é um sindicato de juízes...

quarta-feira, abril 21, 2010

O Passos, que 3 horas em S. Bento. Teria pouco a dizer, porque o que há a dizer se diz em poucas palavras.

terça-feira, abril 20, 2010

A sentença que suspendeu a pena a um pedófilo de 32 anos que violou uma criança de 8 é uma declaração preciosa do estado laico e republicano português quanto aos cuidados que lhe merece a questão.
Quem leia alguns blogs, diria que torcem pela bancarrota.
Torcem pela redenção. Além de, legitimamente, preverem a falência e se preocuparem com quais serão as suas consequências, esperam, afinal, que grande comoção nos obrigue a ver a luz, à semelhança da catástrofe que Eça esperava para Portugal.
Boas intenções.

segunda-feira, abril 19, 2010

A esquerda usa o escândalo sexual como arma desde sempre.
A Rainha Maria Antonieta, no seu julgamento, foi acusada de incesto sobre o seu filho, o Delfim. A Rainha apelou para as a mães que se encontravam na sala e se comoveram com o odioso e o perverso da acusação.
O tiro saiu pela culatra, mas até hoje a esquerda não deixou de o repetir.
Em Portugal, a esquerda jacobina cala-se sobre a Casa Pia e a lei penal é modificada para permitir que o instituto do crime continuado - desenhado para aligeirar alguns crimes contra o património - lhe fosse aplicado.
E é a esta gentalha que se sentem obrigados a responder?

sexta-feira, abril 16, 2010

Seria, talvez, de algum merecimento que alguém explicasse o perigo do éporreismo,pá, do videirismo e de outros nacionais mitos de desenrascanço. O perigo reside, muito precisamente, em não serem eficazes, em serem, pelo contrário, colossais entraves à resolução dos problemas, porque exactamente consistem em métodos de nāo resolução e de ocultamento de incapacidades.
A presente tristíssima situação é fruto da cultura do desenrascanço e o primeiro-ministro é incompetente, bem como o governo. O país, que preguiçosamente acolheu nesta gente o videirismo, tem agora que se desembaraçar de tanto expediente, da falta de escrúpulos e das confusões que a ineptidão gera para resolver depois os outros problemas.
Até lá, vamo-nos ver gregos.

quarta-feira, abril 14, 2010

Um bom post.
Sempre passei ao lado de Benjamin Constant. Tê-lo-ei provavelmente encontrado várias vezes quando frequentava os escritos e vida de Mme. de Stäel e outras gentes daquela altura - este modo palerma de dizer é de outros tempos mas aqui fica - mas não me lembro de ter lido qualquer coisa dele.
Depois, comecei a encontrar, cada vez mais frequentemente, referências e citações e resolvi-me a ler Constant.
Com proveito:

«Je suis trop sceptique pour être incrédule.»
Benjamin Constant


segunda-feira, abril 12, 2010

Ah sim, esta gente dos livros, terrível, maçadora. E não compreendem o que lêem. Obsessões bibliográficas puras, apenas isso, supõe-se: ferros, ex-libris, gramagens. E o Dr. Pacheco, claro outro maçador. É verdade - e, de caminho, ponha-se-lhe na boca o que ele não disse.
E toda a gente no limbo à espera que o a. do blog viesse explicar a todos o divertido que é tudo e as descobertas fantásticas que é preciso fazer e os três palavrões a dizer de permeio.
Assim num repente, um pouco de arrivismo, um pouco de ressaibiamento, outro tanto de pedantismo, vem abrir o mundo a quem não sabe.
Obsessão decorativa que «se não tiver tido uma origem racional exterior que possa ser partilhada por qualquer um, se transforma em simples decoração.» (sic!)
Também terá enxaquecas ao ouvir Beethoven*?
* Para a gente chata das bibliotecas sorrir.
Compulsadas as notícias de fim-de-semana, temos então que, quanto ao salvamento da pátria, se torna necessária uma revisão constitucional; e no que diz respeito à restauração da saúde das nossas finanças, que ficou acordado o empréstimo de 775 milhões à Grécia.
Não é, ainda assim, de excluir que pudesse ter sido pior.

domingo, abril 11, 2010

Uma brigada de polícia, com colete à prova de bala e equipamentos sofisticados, parte com ar determinado, em busca dos ”falsos portugueses“. Monty Python? Não, “Border Police”: a polícia de fronteira britânica atrás de brasileiros com BIs portugueses falsificados.

quarta-feira, abril 07, 2010

Li o «Dedicácias» do Sena.
Muito de tudo aquilo é escrito no Brasil ou nos Estados Unidos.
A claustrofobia e a raiva - seja ela justa ira - de terra pequena e de se ser nela e não só nela grande se podem espalhar pelo mundo sem grande alívio delas ou ganho da orbe.

terça-feira, abril 06, 2010

O Bomba Inteligente atingiu o cabalístico 7º aniversário.
Muitos parabéns - com algum atraso pascal.
Meditação matinal

Um país que vota Sócrates e tem na oposição o Passos não tem sequer o direito de ser desgraçado: há na desgraça um poder salvífico que esta gente não merece.

segunda-feira, abril 05, 2010

Uma ditadura que parece não causar indignação é esta.
Já era altura de alguém pegar nesses canalhas e pô-los fora do país que oprimem, explicando-lhes que o recreio acabou.
Mas parece que quem pensa assim, é um perigoso extremista. Tratando-se de Cuba justificam-se sempre algumas mortes, o seu quê de tortura (a culpa, bem vistas as coisas, até é dos torturados).
Bonito dia de sol.

As notícias do Público sobre os projectos de arquitectura do actual primeiro-ministro mostram que o controlo de qualidade que em cada partido deve existir não funciona em Portugal. Sócrates é uma prova viva e actuante do nosso falhado ”aggiornamento“.
Ontem, Domingo de Páscoa, no telejornal da TVI, logo após a transmissão da Missa, o Sr. Bispo Torgal, afirmava que não há nenhuma campanha contra o Papa Bento XVI.
Claro que não há, porque haveria?

Minutos antes desta instrução do bispo castrense, o Cardeal Solano, ex-secretário de Estado do Vaticano (cargo de ingénuos) expressava a sua solidariedade a S. Santidade.

quinta-feira, abril 01, 2010

QUINTA-FEIRA SANTA

1 Cor. 11,23-26.
Com efeito, eu recebi do Senhor o que também vos transmiti: o Senhor Jesus na noite em que era entregue, tomou pão e, tendo dado graças, partiu-o e disse: «Isto é o meu corpo, que é para vós; fazei isto em memória de mim».
Do mesmo modo, depois da ceia, tomou o cálice e disse: «Este cálice é a nova Aliança no meu sangue; fazei isto sempre que o beberdes, em memória de
mim.»
Porque, todas as vezes que comerdes deste pão e beberdes deste cálice, anunciais a morte do Senhor, até que Ele venha.