terça-feira, dezembro 28, 2010

Envelhecimentos: para além da caducidade: as velhas desilusões vão-se tornando velhas companhias.
O frio e a falta de gente também não ajudam. Tempo ermo.

domingo, dezembro 26, 2010

Cartas de crianças no Natal dos correios. Numa delas, um rapaz de 8 anos, explicava que já sabia que não ia ter muitos presentes este ano, porque a mãe estava desempregada e o pai, quase sempre no hospital, não recebia. Que, por isso, já lhe haviam dito que não havia dinheiro para prendas. Colou na carta algumas imagens de coisas que gostava de ter e agradecia ao Pai Natal que, se pudesse, lhe desse uma delas: «se puderes dar alguma coisa, agradecia».

Esta contenção e clareza, este bom senso tão próprio dos infelizes - e numa linguagem escorreita, longe do jargão eleito pela burocracia sentimental - é um escândalo de resignação.
Quem apadrinhou, levou a peito contrariar, instilar a dúvida, a suspeição, e não escolheu entre os brinquedos: todas as hipóteses de presente referidas na carta seguiram o seu caminho.
Nada como o nascimento de Cristo para convocar à insensatez.

quarta-feira, dezembro 22, 2010

Schubert - Winterreise, D 911 "Erstarrung" - D F Dieskau



Ich such' im Schnee vergebens
Nach ihrer Tritte Spur,
Wo sie an meinem Arme
Durchstrich die grüne Flur.

Ich will den Boden küssen,
Durchdringen Eis und Schnee
Mit meinen heißen Tränen,
Bis ich die Erde seh'.

Wo find' ich eine Blüte,
Wo find' ich grünes Gras?
Die Blumen sind erstorben,
Der Rasen sieht so blaß.

Soll denn kein Angedenken
Ich nehmen mit von hier?
Wenn meine Schmerzen schweigen,
Wer sagt mir dann von ihr?

Mein Herz ist wie erstorben,
Kalt starrt ihr Bild darin;
Schmilzt je das Herz mir wieder,
Fließt auch ihr Bild dahin!

Wilhelm Müller

quarta-feira, dezembro 08, 2010

Nossa Senhora da Conceição

Os tribunais portugueses suspendem as penas das mães que assassinam os filhos (os violadores também têm ficado com pena suspensa).
Não é surpreendente e condiz com aquilo a que chegámos.

domingo, dezembro 05, 2010

O Caso Wikileaks é lamentável e tem efeitos nefastos na actividade diplomática dos estados.

Mas é preciso que Casos Wikileaks, com o seu rol de efeitos lamentáveis aconteçam de tempos a tempos. É um olhar sobre a manufactura do mundo.

sábado, dezembro 04, 2010

Lembro-me de 4 de Dezembro de 1980. Tinha vindo de Lisboa, onde estudava, para passar o fim-de-semana em casa.
Lembro-me da brutalidade na notícia, da consternação e do desgosto pela morte de Sá Carneiro e Amaro da Costa.
Depois de jantar passei pelo sítio de encontro costumeiro da cidade de província. A geração mais velha que o frequentara quando eu era pequeno já não aparecia, mas havia muita gente da geração dos nossos pais. Gente interessante, culta, civilizada, com o gosto de pensar.
Hoje, todos desapareceram sem deixar quem os substituísse. A cidadezinha está semi-desértica, tristonha, soturna, sem vida.
Não posso deixar de pensar que, se Sá Carneiro não tivesse morrido, talvez esta terra - e este país - não fosse o lugar inóspito que é hoje. É que não foi uma maldição que se abateu sobre o interior de Portugal. Esta tristeza é o resultado de escolhas políticas, desde a lei do arrendamento às opções sobre a agricultura.
Quero crer que com Sá Carneiro teria sido diferente: era bem nascido - o que, entre nós evita os defeitos do ressentimento, era culto, não era de Lisboa, tivera uma actividade profissional fora do estado, conhecia o país, em terras e gentes.
Para ele, um Portugal fora do Estado, e um país fora de Lisboa fazia todo o sentido.

quarta-feira, dezembro 01, 2010

O «acordo ortográfico»
Carta a Jaime Gama

Propõe-se este texto, que pode ser copiado e colado aqui
http://www.parlamento.pt/sites/PAR/PA...
Texto:
Exmo. Sr. Dr. Jaime Gama,
Presidente da Assembleia da República


Na edição de 30 de Novembro, o jornal «Sol» noticiava que V. Exia. desejava que o Parlamento começasse a aplicar a partir de 2012 aquilo a que se convencionou chamar «acordo ortográfico».
Estranha-se tal pressa! Quando V. Exia. já exercia o cargo que exerce hoje quando a esse Parlamento foi apresentada uma Petição assinada por mais de 100 000 portugueses demonstrando o seu total desacordo com o que, ao arrepio dos portugueses, se preparava.
Estranha-se ainda tal pressa quando a Comissão Parlamentar de Ética,Sociedade e Cultura recomendou que o plenário devia apreciar a Petição e considerou que o «Acordo Ortográfico enferma de vícios susceptíveis de gerarem a sua patente inconstitucionalidade», para além de considerar que «as preocupações e os alertas dos peticionários devem ser tidos em conta, do ponto de vista técnico e político, a curto e a médio prazo».
Esta recomendação, apesar da sua gravidade, parece não ter ocasionado da parte de V. Exia. qualquer actividade que levasse a uma efectiva discussão nesse Parlamento de tão grave assunto, mais estranha tornando a pressa evidenciada agora por V. Exia. em começar a usar uma
ortografia que centenas de milhares de portugueses clara e expressamente repudiam.
Assim sendo, e num período de tão grave crise nacional, a apressada diligência de V. Exia. corre o risco de se tornar num daqueles actos que fazem com que a democracia portuguesa esteja cada vez mais enfraquecida e que seja cada vez mais fundo o fosso que separa os cidadãos dos
seus representantes.
Venho por isso, como Português, exigir que o «acordo ortográfico» seja discutido com serenidade e sem pressas pelo plenário dessa Assembleia, com a publicidade que o assunto merece.
Com os melhores cumprimentos,
Ate.
a)
Entre mais um aniversário da morte de Fernando Pessoa - que considerou criminoso as alterações da ortografia da Língua Portuguesa - e mais um golpe por via administrativa - através interposta «assembleia da república» e o presidente gama dela.