quinta-feira, novembro 25, 2010

terça-feira, novembro 23, 2010

Um interveniente num desses programas que às vezes vejo, falava no outro dia, na esteira de um artigo do Público, no que se podia chamar um novo fôlego de Sócrates, que a cimeira NATO lhe trouxera. E depois de não sei quantas inanidades, prosseguia até a uma data de eleições auspiciosa para o actual primeiro-ministro que as suas manhas lhe porporcionariam.
Há gente a passar fome por causa de erros deste governo, o país está à beira da bancarrota e precisa de discutir o seu futuro. Mas tudo isso nada é comparado com as armadilhas em que o querido primeiro-ministro fará cair a oposição e que é preciso apreciar devidamente - mesmo que até como futilidade seja muito pouco interessante.
Sim, isto é miséria.

domingo, novembro 21, 2010

Há pouco ia deixando a meio um post sobre viagens no Abrupto - os coleccionadores são repetitivos - que tinha começado a ler por achar absolutamente desinteressante o A Torto e a Direito, que tem gente que costumo ouvir e ler com algum gosto, mas que, na paixão cega da concórdia, ilustrava até à pura insuportabilidade alguns dos nossos defeitos nacionais.
Mas acima disso, todos eles me lembravam que, no limite, apenas eram possíveis, tais como são, por termos cavado com tanto afinco a nossa sepultura. Preferia-os a todos com menos viagens e dinheiro. Não é a apologia da força criadora da necessidade, mas a mera saudade da aurea mediania.

sexta-feira, novembro 19, 2010

Por aqui tomei conhecimento de um texto asqueroso sobre Suu Kyi, uma política que muito admiro. Veio dos lados do Partido Comunista..
E fiquei contente que um ataque tão rasteiro, parolo e nojento viesse daqueles lados.
Seria de esperar outra coisa? Confirma-me a análise e reconforta-me nas escolhas que fiz.

quinta-feira, novembro 18, 2010

Este país é tão cansativo.
A ignorância - e a falta de modos e o pelintrismo - exercem sobre a realidade um efeito teratogénico.
Portugal coberto de quistos, que desejo de pele limpa.

segunda-feira, novembro 15, 2010

Sobre ditas de Amados, Santos, empréstimos e demais vexames que parecem constituir o todo da vida nacional: quando se perde a vergonha...
Vai em itálico, por ser explicação ouvida a terceiros.

quinta-feira, novembro 11, 2010

Morreu o «Senhor do Adeus», José Manuel Serra.
Acenava-nos doutros tempos, de maior amabilidade e, com afecto e simpatia, fazia-nos compreender como vivemos longe do essencial.
Deus o terá.
Em poucas horas - são onze e meia agora - mais de 8 000 pessoas já passarem pela página de homenagem no Facebook. Um deles escreveu que alguma coisa está mal para uma reacção tão excepcional. Está. Não a comoção de tanta gente perante a morte de alguém que era simpático de uma forma tão tocante e divertida, mas a difusa sensação de quão raro se tornaram as ocasiões que nos unem num mesmo sentimento.

sábado, novembro 06, 2010

Ouvi há pouco - que linda manhã de Verão de S. Martinho! - Passos Coelho clamar pela responsabilização criminal dos autores dos desaires do déficit. É triste que a nossa situação política se tenha tornado numa questão de polícia, mas a sugestão é pertinente.
Ou tudo não passará de uma exaltação à sobremesa?

quinta-feira, novembro 04, 2010

Li algures - um blog fracturante? - que a religiosidade é proporcional à desigualdade: quanto mais crentes, mais desiguais.
Perfeitamente de acordo, quando a divindade é o estado.
E entre nós reina a mais desbragada superstição.
Tal como o autor deste post, os mercados não entendem a aprovação do orçamento como a panaceia dos males lusitanos.
Em Portugal, preponderou um bom senso - porventura bem intencionado - que não é senão a vitória da mediocridade. E isto nem seria, por si só, mau se não tivéssemos abusado tanto da falta de imaginação.

quarta-feira, novembro 03, 2010

Entretanto, o A. deste blog deu-se conta que não havia ainda agradecido ao Prof. Eduardo Catroga e ao Dr. Passos Coelho a manutenção das deduções fiscais e a manutenção de alguns produtos a 6%, o que lhe evitará desembolsar alguns desnecessários euros.


terça-feira, novembro 02, 2010

Jorge de Sena fazia anos.
A Antena 2 faz-nos presente de uma entrevista inédita, de 1972
A ouvir, esta entrevista inédita.

segunda-feira, novembro 01, 2010